Legenda: Ciclistas são mais vulneráveis em quedas; para transportes em carro e necessário uso de segunda placa - Reportagem: Silvestre de Castro - Foto: Arquivo/Assecom/PMCR
Legenda: Ciclistas são mais vulneráveis em quedas; para transportes em carro e necessário uso de segunda placa - Reportagem: Silvestre de Castro - Foto: Arquivo/Assecom/PMCR

Utilizada por muitas pessoas para a prática de atividade física ao ar livre, a bicicleta vem ganhando espaço nas ruas, avenidas e rodovias. Com isso, é importante lembrar alguns cuidados que devem ser tomados para pedalar mantendo a segurança própria e de terceiros e também a forma correta de transportar a bicicleta no veículo, quando precisar.

 

No quesito segurança, o artigo 105 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) traz uma série de itens obrigatórios para utilização em bicicleta, tais como: campainha, sinalização noturna dianteira, traseira, lateral e nos pedais, e espelho retrovisor esquerdo.

 

Além dos itens elencados no CTB, o diretor do Departamento Municipal de Trânsito (Demutran), Valdir Antonio Pimenta, ressalta que o uso do capacete também é primordial para a segurança do ciclista.

 

“O ciclista está mais vulnerável a quedas em qualquer acidente. E, nas quedas, é comum que bata a cabeça no meio fio, calçada, chão, em veículos. Por isso é importante utilizar também o capacete para pedalar, mesmo que em distâncias mais curtas”, falou.

 

Pimenta destaca ainda que locais onde houver ciclovia ou ciclofaixa, ainda que compartilhada, são mais seguros para se pedalar. “Onde não houver é importante observar que deve trafegar sempre à margem direita da via, o mais próximo possível do meio fio, sempre no mesmo sentido dos demais veículos”.

 

Ao pedalar a noite, é importante utilizar roupas claras e fixar dispositivos retroreflexivos na bicicleta ou capacete, para o ciclista ser visualizado a longa distância, minimizando assim os riscos de acidentes. O ciclista desmontado empurrando a bicicleta equipara-se ao pedestre em direitos e deveres.

 

 

Por sua vez, o prefeito de Costa Rica, Dr. Cleverson Aves dos Santos (PP) que atua em gabinete compartilhado com seu vice, Roni Cota (PSDB) garante que o Município vai realizar novas campanhas educativas para o trânsito visando reduzir o número de mortes e acidentes. “A educação é um dos pilares para a convivência urbana pacífica e democrática. Todos os atores que convivem no espaço urbano serão contemplados com ações específicas de educação no trânsito”, observa Dr. Cleverson.

 

Como transportar a bicicleta

 

Transbike, ou suporte para bicicletas, é um acessório automotivo que tem por função transportar uma ou mais bicicletas com segurança. Quando o ciclista optar por transportar a bicicleta no veículo, deve fazer a fixação do transbike e solicitar a segunda placa traseira junto ao Detran-MS, para não incorrer na infração do artigo 230 do CTB, que trata sobre a legibilidade e visibilidade da placa de identificação do veículo.

 

Pelo artigo 230, conduzir o veículo com qualquer uma das placas de identificação sem condições de legibilidade e visibilidade é considerada infração gravíssima com penalidade de multa e remoção do veículo.

 

“Importante lembrar que se o veículo já for registrado no padrão Mercosul, basta procurar uma unidade do Detran, no setor de vistoria, para solicitar a autorização da confecção da segunda placa traseira”, explicou o Gerente Executivo do DETRAN/MS – Departamento Estadual de Trânsito em Costa Rica, Limiro Paulino Neto.

 

Caso o veículo ainda esteja emplacado no padrão antigo, placa cinza, é preciso solicitar o emplacamento no modelo Mercosul e só então solicitar a confecção da segunda placa traseira.